Acção Reivindicativa de Empresa

Imprimir

 

 A Luta dos/as Trabalhadores/as da produção da empresa TREVES continua

Os/As  trabalhadores/as mantêm os períodos de greve de 1 hora por turno

Os/as trabalhadores/as mediante a comunicação feita pela empresa e afixada no quadro de informação aos trabalhadores, decidiram a realização de plenários na próxima segunda dia 10 de Abril para apreciação da comunicação e medidas a tomar. Os trabalhadores mantêm os períodos de greve de 1 hora por turno. 

Trabalhadores/as da produção da empresa TREVES em CESAR estão em greve, com uma adesão de  95% em ambos os turnos, com concentração à porta da empresa.  

A luta vai continuar no dia 7 de Abril. Os trabalhadores aguardam a confirmação por escrito da proposta da empresa, apresentada hoje verbalmente. Os trabalhadores decidiram, caso a empresa não concretize o compromisso assumido, aprovar e apresentar uma moção de endurecimento da luta. A luta continua! 

 

 Greve contra salários e atraso na CONTRASTÊXTIL UNIPESSOAL LDA.

Caso a empresa não liquide os salários em falta até ao dia 14 de Fevereiro, os trabalhadores da Contrastêxtil, em Freamunde, entram em greve desde as 8 horas do dia 15 até às 17 horas do dia 16. Está em dívida parte do salário de Dezembro do ano passado e, na íntegra, o de Janeiro deste ano. 

Se o incumprimento da empresa se mantiver após a greve, os trabalhadores irão decidir novas acções de luta, por forma a serem ressarcidos dos salários em dívida.  

 -Ver Pré-Aviso de Greve     

Trabalhadores da Crafpor suspendem contrato por falta de pagamento dos salários 

Um grupo de 18 trabalhadores pediu a suspensão do contrato de trabalho na empresa fábrica de calçado Crafpor , em Azurém, Guimarães, por falta de pagamento do salário do mês de Dezembro e por falta de perspectivas de quando se irá proceder ao seu pagamento. Após várias tentativas de diálogo encetadas pelo Sindicato do Calçado do Minho e Trás-os-Montes e outras entidades envolvidas, não restou outra alternativa aos trabalhadores do que solicitar a suspensão do contrato de trabalho.  Inf. OCS

 

Trabalhadores da Valindo Têxteis suspendem contratos e exigem auditoria  

 Os trabalhadores da Valindo Têxteis, sediada em Fafe, decidiram suspender os seus contratos de trabalho por causa dos salários em atraso e consequentes dificuldades económicas e exigem uma auditoria à gestão da empresa, nos últimos anos, com o objectivo de apurar se existiram ou não actos e decisões praticadas pelos accionistas e pela administração que colocaram em causa a viabilidade da empresa. 

 Os trabalhadores, reunidos em plenário à porta da fábrica, no dia 26 de Janeiro, afirmam que não vão desistir de lutar para ser encontrada uma solução que garanta a continuidade desta importante unidade industrial e do emprego dos seus trabalhadores. A Valindo Têxteis, cuja continuidade se pode salvaguardar no âmbito do novo processo de insolvência, fabrica roupa de criança dos zero aos 24 meses, com marca própria, Girândola, e uma cadeia de lojas de retalho.

 

Trabalhadores da VALINDO-TÊXTEIS, SA, em greve desde o dia 27 de Dezembro, mantêm-se à porta da empresa em luta pelo pagamento do subsídio de Natal e do salário de Dezembro. Uma delegação composta pelo Secretário-geral da CGTP-IN, pelos Coordenadores da FESETE, da União dos Sindicatos de Braga e do Sindicato Têxtil do Minho, entre outros dirigentes sindicais, vai ser recebida hoje, dia 16 de Janeiro, pelas 17 horas, no Ministério da Economia, em Lisboa. Ler mais clique AQUI

 

 Marcha de protesto de trabalhadores da Valindo Têxtil

Mais de uma centena de trabalhadores da Valindo Têxtil saíram hoje à rua, em Fafe, numa marcha lenta de protesto; exigem pagamento de salários em atraso e do subsídio de Natal e dizem-se mesmo humilhados pela administração da empresa.
Declarações de Arménio Carlos, CGTP e Raul Cunha, Pres. da CM de Fafe.
RTP 1 - Jornal da Tarde

  

   

 

 Manifestação / Desfile - sede da ATP - Vila Nova de Famalicão - 18 de Maio de 2016 - ver Resolução - Ver - Saudação da União dos Sindicatos de Aveiro 

  •  Ver Texto distribuído na Conferência de Imprensa - Clique AQUI 

 FOTOS - Manifestação / Desfile 18/5- sede da ATP  

  

Trabalhadores/as da Triunfo Internacional em Luta pela manutenção dos postos de trabalho

Concentração no Largo de Camões seguida de Desfile até à Assembleia da República  - 5 de Maio

A Direcção da FESETE Manfiesta a sua Solidariedade para com os/as trabalhadores/as da Triunfo Internacional ameaçados/as de desemprego pela multinacional alemã - ler mais clique AQUI 

 

 

Postos de trabalho em risco na fábrica da Triumph


Há 530 postos de trabalho em risco na fábrica da Triumph em Sacavém, que está à venda desde o início do ano. O secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, participou num plenário de trabalhadores que teve como objectivo analisar a situação da empresa que poderá encerrar, caso o processo de venda não se concretize.
"O Governo, seja ele qual for, não pode deixar de ter uma palavra sobre esta matéria. O eventual encerramento desta fábrica, além da questão dos trabalhadores, terá implicações económicas e nas exportações. Não se pode encarar como mais um encerramento", afirmou Arménio Carlos aos jornalistas no final de um plenário dos trabalhadores da Triumph Internacional.

Ver video RTP - Noticia EXPRESSO 

 

  Trabalhadores do Grupo SOMELOS defendem direitos e salários 

 Reunião de 5 de Março

O Sindicato Têxtil do Minho e a FESETE têm denunciado desde 2012 o congelamento dos salários dos trabalhadores que trabalham nas empresas filiadas na associação patronal, ATP, cuja vice-presidente da direcção é a empresa SOMELOS. Em Outubro do ano passado foi possível dar início às negociações, foram já realizadas algumas reuniões mas a ATP insiste: no corte dos feriados de carnaval e municipal; em reduzir o pagamento e a compensação do trabalho suplementar para os mínimos da Lei; em cortar a majoração dos três dias de férias anuais. 

A FESETE e os Sindicatos têm defendido que não existem razões para a redução  dos direitos dos trabalhadores e a da sua retribuição anual, mas a ATP insiste no corte dos direitos e na retribuição. Ver Comunicado Clique AQUI